Categoria: De um passado glorioso desperta… Catalão vem viver o esplendor!

Curiosidades Culturais

BERNARDO GUIMARÃES – Mais um causo goiano por Sonia Sant’Anna

Mais um causo goiano... Poucos sabem que BERNARDO GUIMARÃES, autor do livro Escrava Isaura, depois de formado em Direito em São Paulo e de ter sido jornalista no Rio de Janeiro, viveu em Catalão, GO, em 1861, nomeado Juiz Municipal. Apesar do cargo, costumava usar chinelões de couro, roupas sujas e desalinhadas, a barba e cabelos crescidos. Tomava banho raramente, quando o obrigavam os amigos, subjugando-o e lavando-o à força. Morava em companhia de uma mulata, apelidada Jequitirana, feia, vesga e alcoólatra, e de um malandro, irmão dela. Viviam bêbados os três, sujos e mal alimentados, pois a casa não possuía panelas - aliás não possuía qualquer mobiliário. O álcool, mais tarde aliado ao éter, arruinaria totalmente a saúde do...

De um passado glorioso desperta... Catalão vem viver o esplendor!

CATALÃO: relampejos e histórias – A homenagem do BLOG da Maysa Abrão aos 158 anos da Atenas de Goiás

POR:  Cairo Mohamad Ibrahim Katrib Doutor em História. Docente da Universidade Federal de Uberlândia – Faculdade de Educação   As terras de Catalão, são terras de muitos sujeitos. Uns que vieram de lá; outros que vieram de cá. Pessoas comuns que nas suas comunidades, bairros, famílias são protagonistas de histórias vividas, sonhadas e praticadas. A cidade é um grande mosaico que se funde com a liga das falas, das memórias e das histórias de homens e mulheres; catalanos, forasteiros. Catalão é o o lugar do sonho, do desejo de dias melhores, da luta pela sobrevivência, do reconhecimento de que “viver aqui é bom demais!”. Mas, voltar ao passado não se resume ao exercício nostálgico de relembrar os velhos...

Sem categoria

BLOG da Maysa Abrão homenageia o ex-prefeito do Catalão, José Evangelista da Rocha

“Devo evitar: açúcar, gordura e prefeitura”. (José Evangelista da Rocha) A família relata que José Evangelista da Rocha foi um Catalano bastante atuante no que diz respeito à comunidade. Começou a trabalhar ainda menino com funções diversificadas, dentre algumas, guia de cego e vendedor de doces na rua. Na adolescência foi trabalhar com o tio Lamartine Evangelista em Cumari, Goiás, em um armazém, lá ficou conhecido como: Zé do Lamartine. Aos 18 anos, foi sócio fundador do Frigorífico Santa Terezinha. Como era ainda muito jovem para entrar na sociedade, seu irmão, Geraldo Rocha, solicitou ao pai, Idelfonso Rocha, que emancipasse José. Durante o período em que ocupou a função administrativa na indústria, tornou-se a “face" da empresa. Sua calma e a maneira afável com que...

De um passado glorioso desperta... Catalão vem viver o esplendor!

BLOG da Maysa Abrão no “Cinquentenário do Primeiro Título do CRAC”…

A primeira foto mostra uma dedicatória do jogador "Recife" para sua madrinha do campeonato de 1967, Vitória Abrão Dayoub. A segunda foto mostra Vitória Abrão Dayoub parabenizando o jogador José Pereira de Oliveira (Recife). Atrás do jogador está a querida Nilda Margon Vaz (in memoriam). Em um bate papo descontraído da equipe Blog Da Maysa Abrão com o goleiro daquela época, Nêgo, o mesmo nos contou que, "O Recife era um grande jogador e amigo. Jogava pelo Inhumas. No Clube Recreativo do Catalão não ficou por muito tempo. Mas, teve sua passagem no elenco maravilhoso do Crac". AQUI NOSSA HOMENAGEM AO JOGADOR RECIFE.

De um passado glorioso desperta... Catalão vem viver o esplendor!

USINA MARTINS – Uma das mais importantes e poderosas indústrias de Catalão

Propriedade e administração do estimado sr. Francisco Cassiano Martins - Açúcar de primeira qualidade e de grande aceitação pelo mercado consumidor – Fala-nos o grande industrial O Jornal Gazeta do Triângulo, de Araguari, Minas Gerais, trouxe o seguinte artigo no dia 20 de agosto de 1959:   Uma das industrias que, sem dúvida alguma, honram e elevam o município de Catalão é a USINA MARTINS, de propriedade do sr. Francisco Cassiano Martins, conhecido entre os amigos por CHICO CASSIANO. Em oportunidade de visita-lo em sua usina, observamos um ritmo harmonioso, onde a satisfação dos numerosos operários se faz sentir, graças ao tratamento cavalheiresco que lhes dispensa o grande industrial, fazendo com que todos se sintam como em família. O sr. Francisco Cassiano Martins é dos...

Notícias

Pronto Socorro da Santa Casa de Misericórdia é reaberto

Na manhã desta segunda-feira (20), o prefeito Adib Elias (PMDB) e o vice- prefeito e Secretário de Saúde, dr João Sebba (PMDB), participaram da solenidade de reabertura da Unidade de Urgência e Emergência e reinauguração da Unidade de Terapia Intensiva - UTI, da Santa Casa de Misericórdia de Catalão. " A dra Elaine, provedora da Santa Casa, não terá mais dificuldades que a impeça de funcionar o Pronto Socorro. Iremos cumprir o compromisso de fazer o repasse à Unidade de Saúde mensalmente e sem atrasos," observou Adib Elias. #PrefeituraDeCatalão#Trabalho #Compromisso

De um passado glorioso desperta... Catalão vem viver o esplendor!

Getu’lio Vaz – Grande benfeitor do Catalão

O Jornal Gazeta do Triângulo , de Araguari, Minas Gerais, trouxe o seguinte artigo no dia 20 de agosto de 1959. Nascido em Ipameri, transferiu residência para Catalão, ainda muito moço, onde se casou com da. Dagmar Neto, filha de tradicional família. Teve 3 filhos: Dr. Astéro Vaz, advogado falecido; Dr. Hélio Vaz, médico em Araguari; e Maria Berenice, normalista e diplomada em piano pelo Conservatório de São Paulo. Nomeado Tabelião do Cartório do 1°. Ofício do Catalão, entrou em contato com a população rural, tornando-se benquisto. Por suas qualidades pessoais de homem de visão e honestidade, guindou-se ao pôsto de Chefe Político do Catalão, quando exerceu enorme influência na cidade, entre os anos de 1920 e 1930. Trabalhou muito para Catalão; por...

De um passado glorioso desperta... Catalão vem viver o esplendor!

A Catalão, em seu Centenário por Wagner Estelita Campos

Pede-me a GAZETA DO TRIANGULO um artigo, ainda que breve, sobre o centenário de Catalão, melhor dizendo, de sua elevação à categoria de cidade, pois que de existência Catalão já é mais que bicentenária.  Mas que dizer a respeito? Recordar tudo que me prende a Catalão, tudo que minha terra natal sacode em meus sentimentos e tudo que para mim significa? Então um simples artigo seria espaço muito pequeno. Pequeno demais para recordar a infância, os amigos de peraltices, tantos já desaparecidos, o colégio dos padres, as festas de São João, o carinho de minha mãe, a ingenuidade com que aos cinco anos, quando me perguntavam o que desejava ser, eu respondia que príncipe ou poeta... E que os...

Filhos do Catalão

Uma Viagem no próprio tempo por Higor Bueno

Quando analisamos a história de minha família nos vemos diante de fatos que ajudaram a construir e transformar Goiás e o Brasil, ajudamos a criar a Catalão de hoje ou até aprovar a Constituição Cidadã de 1988. Vamos começar em 1722, data essa que, segundo documentos, Bartolomeu Bueno da Silva, Anhanguera, (1672-1740) chegou ao território que hoje conhecemos como Catalão, deixou como um marco nessa terra uma cruz símbolo do estado, sendo ele patrono da fundação da cidade, protagonizou também uma das cenas mais icônicas vividas por um bandeirante ao atear fogo em uma vasilha com aguardente dizendo que faria o mesmo com os rios caso os índios não mostrassem as riquezas da região. Viveu até sua morte em Vila...

De um passado glorioso desperta... Catalão vem viver o esplendor!

Catalão 157 anos – A Fundação do Clube Treze de Maio contada por Jorge (o Batuta) e registrada por sua filha, a escritora Sandra Fayad

Em Catalão havia um clube social, denominado Clube Recreativo e Atlético Catalano (CRAC), que era frequentado apenas pelas pessoas mais abastadas da cidade, a chamada nata da sociedade. Era conhecido também como Clube dos ricos.   Os operários não podiam entrar no clube. Apresentavam propostas por escrito para se associarem, mas estas não eram aceitas. A turma de operários, da qual eu era o mais velho, desejando frequentar também um clube, há muito tempo, tentava encontrar um espaço onde pudesse se reunir, dançar, festejar e namorar as moças de bem.   Como a Diretoria do CRAC nem se manifestava favorável, resolvi procurar o Prefeito, João Netto de Campos:   - Prefeito, nós não temos um clube pra dançar... O CRAC não aceita nossa proposta de...