Categoria: Pelos olhos da Estela

Pelos olhos da Estela

O dia que não começou igual

Silêncio: hoje ela não reclamou dessa "carroça velha". Dia após dia, ouço, exatamente às sete da matina, que o ônibus é uma carroça. E velha. É fácil decorar o discurso... sempre dito e alto e bom tom. Mas não hoje. Ela entrou em silêncio (finalmente). Confesso, me deixou decepcionada e me fez acreditar que alguma coisa aconteceu. Ela não está bem, essa não é a sua essência. Poderia ser o contrário, a senhora até poderia estar passando por algo enquanto reclamava. Mas tenho fé de que aquele era o seu natural. Existem pessoas que nasceram para reclamar (e esse texto é uma constatação, não uma reclamação). E o que seria de nós se elas não existissem? Certo, pessoas mais felizes, talvez....

Pelos olhos da Estela

Crônica do Ano Novo

Faltava dez para meia noite. Os fogos de artifício já brilhavam no céu há algumas horas. Pobres gatos e cachorros, idosos e gestantes: os sustos, quando sozinhos, são mais horripilantes. Pobres dos solitários, que não tiveram com quem compartilhar tamanha grandiosidade de uma virada de ano. Li, qualquer dia desses, em alguma das minhas redes sociais, que o Ano Novo é isso: dar uma nova chance. Chance de perdoar, de fazer melhor, de fazer mais, dar mais, amar mais, de parar com todos os “e se” que soltamos para tantas coisas e aproveitar o que quer que venha a acontecer. Mas o que é isso, se não uma segunda-feira? Nós sempre estamos começando outra vez,...

Pelos olhos da Estela

Sou tatuada sim! E daí?

  A imagem acima circulou as redes sociais essa semana. Ela me fez pensar bastante sobre ser tatuada e conviver com o que a sociedade nos causa. Não é de hoje que me acostumei a responder perguntas como “dói fazer tatuagens?”, “qual o significado desse desenho?”, “quantas tatuagens você tem?” e ouvir aquele comentário clichê “vai virar um gibi!”. A verdade é que o pensamento deveria ser “se o corpo é do outro, porque a opinião deve ser minha?”. Sério, não está na hora de cuidarmos cada um dos próprios umbigos? Enfim.. Na maioria das vezes, tatuagens são encaradas apenas como um símbolo de rebeldia, principalmente na cultura ocidental, deixando de lado todo o seu valor cultural e histórico...